Na boca reacendo uma navalha de lume para sufocar a solidão, 
e as palavras que já nada podem revelar, nem ajudar. 




Al Berto
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!