Mas quando surges és tão outra e múltipla e imprevista que nunca te pareces com o teu retrato

E eu tenho de fechar meus olhos para ver-te.


 Mario Quintana. 


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!