Uma serpente de ouro abraça os quadris negros e molhados. 


E a água que se debruça


olha a loucura com seu nome: indecifrável cego.






Herberto Helder
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!