Também quiseste ser a concha, ter um abrigo seguro na pérgula das águas. 

E foste apenas um molusco indefeso e vulnerável a todos os engôdos e a todos os anzóis. 






Albano Martins
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!