Hoje, apenas sinto o vento reacender feridas,

nada possuo,

nem sequer o sofrimento.



Al Berto
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!