As palavras são como cheques bancários, têm que ter fundos, e os olhos entregam o que a boca silencia




Pedro Bial
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!