Eu gostava de poder dizer que entrei no teu corpo como um pássaro espreitando através de invisíveis ruínas e que o som da tua voz bastava para me salvar ...



Alice Vieira
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!