E eu quero tudo.
E eu quero tudo.

Estou pra todas as paixões.
Quero as pernas.
Não rejeito os pelos. Imagino-os.

Estou para os lábios.
Quero os peitos.
Não deixo de pensar os seios. Sugo-os.

Estou para o ventre.
Quero a literatura.
Não vivo sem as Paixões e Amores proibidos. Vivo-os.

E eu quero tudo.
E sabe o que eu não quero?
Não quero não agarrar-te pelos ombros...
Não quero não olhar fundo nos teus olhos claros...
Não quero não ler a alma tua e beijar os lábios teus com a paixão e com medo de que o mundo acabasse antes disso.

E eu quero tudo.
Quero minha alma pervertida.
Quero ser vitimado pelo poliamor.
Quero meu coração compartilhado.
Quero amar sem arrependimentos por não amar.


{E eu quero tudo, gostosa.
A começar por um poema sem rima e sem nexo.
Eu quero ter um beijo roubado. Ou roubá-lo.
Gostosa (em todos os sentidos), eu quero tudo.}


De: Anônimo Encantado e Silva - em 14/11/2016


**Noite de super lua
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!