pernoitas em mim 
e se por acaso te toco a memória… amas 
ou finges morrer

pressinto o aroma luminoso dos fogos 
escuto o rumor da terra molhada 
a fala queimada das estrelas

é noite ainda 
o corpo ausente instala-se vagarosamente 
envelheço com a nómada solidão das aves

já não possuo a brancura oculta das palavras 
e nenhum lume irrompe para beberes




Al Berto
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!