para morrer,
qualquer lugar,
qualquer corpo,
e qualquer boca me serve.



António Boto
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!