Eu não sou dessas mulheres
incapazes de amor e ternura. 
Eu sei o que é coragem e sangue,
embora odeie o sacrifício e me repugne 
a vaidade que nasce da violência. 
Quero ser mulher de um mercenário, 
de um poeta ou de um mártir, é igual.
Eu sei fitar os olhos dos homens, 
sei quem merece a minha ternura. 





Amalia Bautista
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!