a distância do meu corpo ao teu grito
corresponde à do teu sopro ao meu ouvido

eis a anatomia do silêncio



Teresa Balté
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!