Não te dei ouvidos 
Dei-te o corpo todo 
Mas só porque eras
o intervalo entre
o caos e o comboio 







Helder Moura Pereira
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!