Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2016
Imagem
Não te dei ouvidos  Dei-te o corpo todo  Mas só porque eras o intervalo entre o caos e o comboio 






Helder Moura Pereira
Imagem
quando você diz o que ninguém diz; quando você quer o que ninguém quis; usa lousa pra que eu possa ser giz; quando você arde alardando sua teia cheia de ardis; quando você faz a minha carne triste quase feliz; você me faz parecer menos só, menos sozinho; você me faz parecer menos pó, menos pozinho.

Zeca Baleiro
Imagem
todo o amor do mundo não foi suficiente porque o amor não serve de nada.
ficaram só os papéis e a tristeza, ficou só a amargura e a cinza dos cigarros e da morte.
os domingos e as noites que passamos a fazer planos não foram suficientes e foram
demasiados porque hoje são como sangue no teu rosto, são como lágrimas.
sei que nos amamos muito e um dia, quando já não te encontrar em cada instante, em cada hora,
não irei negar isso. não irei negar nunca que te amei. nem mesmo quando estiver deitado,
nu, sobre os lençóis de outra e ela me obrigar a dizer que a amo antes de a foder.





 José Luis Peixoto,

Sobre ontem à noite....

Imagem
Dissolver  lentamente na boca 

Saborear  como um aperitivo

O pânico 





Rui Caeiro
Imagem
Nunca mais regressaste a casa desde agosto.
O teu lugar à mesa ficou vazio. 
Eu passei a colecionar
os nomes de coisas distantes, sentei-me a desenhar
sistemas de coordenadas, soletrei os hemisférios
das palavras, regressei às zonas epidérmicas do toque,
à fome anatómica dos gestos, às regiões endémicas
dos sismos, à solidão unívoca das margens dos rios,
ao silêncio lento das magnólias. 
Trouxe o domingo
para dentro de casa e guardei-o junto ao parto
em que me deste à luz.


Digo: Os dias são todos de morrer.
Nenhuma das memórias que tenho de ti
sabe negar essa evidência.



José Rui Teixeira
Imagem
"Aquilo que em todos os tempos, ancorou a liberdade no coração de alguns homens foi o seu encanto próprio, independentemente dos seus benefícios: foi o prazer de poder falar, agir, respirar sem constrangimento, sob o único governo de Deus e de leis."



Alexis de Touqueville