(...)

Não ranjo. 
Não sangro. 
Não choro. 
Não peço. 
Não morro.


A não ser que me sobrevenha uma embolia ao baralho. 
Ao caralho.


Por isso, conservo-me em álcool. 
Como os miúdos fazem às cobras.


O formol é para os Deuses.





Miguel Martins
Postar um comentário

Postagens mais visitadas