teu silêncio


embora


saiba que foi o teu silêncio que me deixou, tenho pavor de me esquecer da tua voz; 

e, quando tento recordar um instante feito só de palavras ditas ao ouvido,

 já não encontro nada - nada de nada;

e é como se tivesses morrido dentro do meu corpo.




Maria do Rosário Pedreira
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!