Como dava beijos lentos, duravam-lhe mais os amores.




Ramón Gómez de la Serna
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!