Não tinhas
nome. 
Existias
como um eco
do silêncio. 
Eras
talvez
uma pergunta
do vento.


Albano Martins
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!