Escrevia silêncios, noites, anotava o inexpressável. 

Fixava vertigens.



Rimbaud
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!