Deixo-te ir, dizendo palavras inabitadas, tenebrosas.
 Sou caruma, vento violento, borboleta esvaziada pela malignidade. 
Procuro, em minha perplexidade de asa, um outro coração. 
Na avidez do golpe, caminho com água pela cintura. 
DesapareçO.





Ana Marques Gastão
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!