À entrada da (…) alma um letreiro exausto batia: vende-se, aluga-se, oferece-se.


João Luís Barreto Guimarães
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!