Morto da cintura para baixo, da cintura para cima, da cintura para fora, da cintura para dentro – que diferença faz? 
Oficializar o já acontecido: perdi um pedaço, tem tempo.
 E nem morri.


Caio Fernando de Abreu
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!