Era ir atrás de ti, agarrar-te como na tarde do primeiro beijo, e dizer-te que o amor é aquilo que uma vez escrevi sobre os sonhos: se o amor não te assusta, então não é suficientemente grande.

Rui Miguel Mendonça
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!