Se ao menos pudesse voltar a ser tão distraída, a sentir tanto amor sem saber


Markus Zusak
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!