- mas vou reconhecê-lo?


Por que não lhe disse antes?
 Apertá-lo demoradamente contra o meu peito e dizer. 
Não disse porque pensava que tinha pela frente a eternidade. 
Só me resta agora esperar que aconteça outra vez, vislumbro esse encontro 
- mas vou reconhecê-lo? 
E vou me reconhecer nos farrapos da memória do meu eu?



Lygia Fagundes Telles
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!