uma âncora na boca de um abraço prolongado



João Luís Barreto Guimarães
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!