Dormem na praia os barcos pescadores
Imóveis mas abrindo
Seus olhos de estátua


E a curva do seu bico
Rói a solidão




Sophia de Mello Breyner Andresen
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!