Não vai doer. 
É bater de frente com a morte. 
Olhar a silhueta das asas de um anjo. 
Ácido na língua. 
Mãos apertadas nos joelhos à espera da solução para os vícios. 
Não dói nada. 
Sou uma fada de botas da tropa. 
É o meu delírio sempre a horas certas dentro de um aquário híbrido. Estranhar ser pessoa. 
Estranhar ter crescido. 
Ter de ser crescida. 
Sem pele. 
Colecionadora de vestidos que não posso vestir. 
É incrível como a torre pode cair. 
Devia, antes de saber se caio, demolir um assunto grande. 
Só para assistir à cadência. 
Como com as estrelas, mas sem desejar. 
Não vai doer. 
É só uma luz muito aguda.




Patrícia Baltazar
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!