"Tinha o vento contra a cara e as nuvens e as ondas do mar por conta própria. Sofria muito de amores e não havia amor que durasse que não magoasse. Jurava-me que um dia viria a não ser eu, sem saber o que dizia , sem antecipar a ilusão. 
(...) 
Saudades de mim. De quem nunca fui.

Eu não queria. Eu nunca quis. Minto. Eu quis quando não sabia o que queria."




pedro paixão
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!