O broche de brilhantes tinha desaparecido, mas que importava: 
também era falso...




Caio F. de Abreu
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!