Não importa o gosto ácido que vai fermentando na boca enquanto a vida passa e você vai lentamente se transformando em mulher, e perdendo aquela sensibilidade de flor e o sorriso de veraneio. 
E sempre diz que só a ausência de medo nos aproxima do amor...







Gabito Nunes
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!