(...) 
Cortei-me e não há
verso capaz
de estancar o sangue 





Manuel A. Domingos
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!