O teu silêncio cresce
e o que resta são murmúrios de ausência
neste espaço que se veste de mágoa

António Sem
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!