às vezes queria que a água lavasse
a culpa do rosto levasse de dentro
estilhaços (pensamentos) impurezas



João Luís Barreto Guimarães
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!