"E defendo-me da morte povoando de novos sonhos a vida."


in Mesa dos sonhos, Alexandre O'neill
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!