mas nunca mais regressaste a casa
e eu aprendi
a soletrar silenciosamente
o teu regresso.


José Rui Teixeira
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!