deseSpero


Estava abraçada ao chão. 
Acreditei que tinha morrido 
e que a morte era dizer um nome sem parar.




Alejandra Pizarnik
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!