Olhos fechados, pra te encontrar...


Para te ver bastava fechar os olhos com força e eras outra vez tu, igual a ti própria. 
O abismo entre querer-te e ter-te afundava-me. 
A doce paz de te sonhar trazia consigo uma discórdia infinda, de mim para comigo.
 Não sabia onde estavas, com quem, de que maneira.





Paixão
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!