quinta-feira, 4 de julho de 2013

Nudez da alma:


"(...) não há uma forma fácil de dizer isto, por isso vou dizê-lo sem rodeios: 
- conheci uma pessoa. foi um acidente, não estava à procura disto. uma autêntica tempestade. ela disse qualquer coisa, eu respondi. depois lembro-me de querer passar o resto da minha vida dentro daquela conversa.
 - talvez ela seja a mulher da minha vida.
pelo menos é completamente louca e está sempre a fazer-me rir. 
- (...) essa pessoa és tu. (...) 
não sei o que nos vai acontecer e não sei por que deves depositar alguma esperança em mim.
mas... tu cheiras tão bem, como cheiram as casas, e fazes um café delicioso. isto tem de significar alguma coisa, certo?"



Californication



(a carta que ele escreve enquanto ela dorme na cama à frente dele, mesmo ao início, e que depois põe no correio... )
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...