domingo, 16 de junho de 2013


O amor mais contundente é o que não precisa ser visto para existir. 
E continuará sendo feito apesar de não ser reparado. 
O amor real é secreto. 
É conservar um pouco de amor platônico dentro do amor correspondido. 
E nunca falar que isso aconteceu. 
E não jogar na cara qualquer ação.
 E não se vangloriar das próprias delicadezas. 
São demonstrações sutis, que não dá para contar para os outros, mas que contam muito na hora de acordar para enfrentar a vida.



Fabrício Carpinejar.
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...