Não quero dizer com isso que havia deixado de amá-lo, que o esquecera, que sua imagem desbotara; pelo contrário; ele morava em mim dia e noite, como uma silenciosa nostalgia; eu desejava-o como se desejam as coisas perdidas para sempre.


Milan Kundera
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!