domingo, 30 de junho de 2013


Não quero dizer com isso que havia deixado de amá-lo, que o esquecera, que sua imagem desbotara; pelo contrário; ele morava em mim dia e noite, como uma silenciosa nostalgia; eu desejava-o como se desejam as coisas perdidas para sempre.


Milan Kundera
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...