Lá estava ela, olhos agudos esparramados nos meus sem constrangimento, fresca como se tivesse acabado de ser colhida do pé. 
Vívida como a estrela mais nítida no escuro mais silente da noite. 
Lá estava ela, engasgada na sombra à espera de olhar. 
À espera de abraço. 
À espera da chance de falar. 
À espera de luz.



Ana Jácomo
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!