Tem um poema da Florbela Espanca que diz assim:
As coisas vêm a seu tempo, quando vêm, essa é a verdade’.
Um dia a coisa sai.
E eu acredito no mecanismo do infinito, 
fazendo com que tudo aconteça na hora exata.



 Caio F. Abreu a Hilda Hilst 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!