Na mão direita tinha um cigarro, na esquerda um copo de cerveja. 
E chorava, ela chorava. 
Sem escândalo, sem gemidos nem soluços...


Caio Fernando Abreu
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!