Me debruço na varanda e a altura me tonteia.
Sabem o que descobri?
Que a minha alma é feita de água.
Não posso me debruçar tanto.
Senão me entorno e ainda morro vazia, sem gota.


Mia Couto
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!