e toco-te



e toco-te

para deixares de ter corpo

e o meu corpo nasce

quando se extingue o teu.



Mia Couto
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!