É na escura folhagem do sono
que brilha
a pele molhada,
a difícil floração da língua.



Eugenio de Andrade
3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!