quarta-feira, 20 de novembro de 2013





Adormeço tropeçando

no desejo

encostada ao teu pescoço



Respirando o teu dormir

ou bebendo devagar

o ácido cheiro do teu corpo

.

Maria Teresa Horta

terça-feira, 19 de novembro de 2013


“O amor maltrata-nos, atormenta-nos, tortura-nos, ao mesmo tempo que é, também, o nosso cântico, o nosso deslumbramento, a nossa apoteose.”


Annie Leclerc

às vezes sinto como se:



"Como se a alegria recolhesse a mão, pra não me alcançar."




Los Hermanos

A tua boca cala espinhosos incômodos que carregam as vozes das minhas saudades.






(Guilherme Antunes)

domingo, 17 de novembro de 2013

Desfruta do meu corpo....


Desfruta do meu corpo
Como se o meu corpo
Fosse a sua casa.



Chico Buarque

O que tu viste breve,
O que tu viste inútil
Foi o que viram os teus olhos humanos,
Esquecidos…
Enganados…
No momento da tua renúncia
Estende sobre a vida
Os teus olhos
E tu verás o que vias:
Mas tu verás melhor… 


Cecília Meireles

Você é uma boa notícia.


Desenhei você dentro da esperança mais casta. 
E te esperei na manhã inaugurada pela paciência cultivada. 
Sei que precisava estar pronta enquanto o seu ser se preparava para ter coragem porque você sabe dos meus longos voos e da intensidade de cada mergulho. 
Escrevi nossa história em páginas de amor reciclado. 
Reaproveitei meu passado até deixá-lo ir: fiquei com o aprendizado. 
E guardei todo o espaço em branco para que preenchêssemos juntos. 
Inteiros. 
Certeiros na carícia arrendondada de cada frase. 
Incoerentes, mas coesos. 
Pacientes, mas entusiasmados. 
E, agora sabes que, juntos, teremos todas as licenças poéticas para, de mãos dadas, fluir lado a lado.
Te recebo, aceito e agradeço.

Você é uma boa notícia.


Marla de Queiroz

domingo, 10 de novembro de 2013


Disseste que se tua voz tivesse força igual
À imensa dor que sentes
Teu grito acordaria
Não só a tua casa
Mas a vizinhança inteira.


Legião Urbana 

DEIXEI DE OUVIR-TE...


DEIXEI DE OUVIR-TE. 
E SEI QUE SOU 
MAIS TRISTE COM O TEU SILÊNCIO.

PREFERIA PENSAR QUE SÓ ADORMECESTE; 
MAS SE ENCOSTAR AO TEU PULSO O MEU OUVIDO 
NÃO ESCUTAREI SENÃO A MINHA DOR.

DEUS PRECISOU DE TI, BEM SEI. 

E NÃO VEJO COMO CENSURÁ-LO

OU PERDOAR-LHE...




Maria do Rosário Pedreira

domingo, 3 de novembro de 2013

EsquecimentO


ninguém esquece um corpo que teve
nos braços um segundo – um nome sim.



Maria do Rosário Pedreira

Só a tua lava me lava...


Só a tua lava me lava.
Resto eu em ti
terra ardendo,
chão de água e fogo.

Abraça-me.
Abrasa-me.


Mia Couto,

e tu sussurras:- não, não afastes a boca da minha orelha.
derrama dentro dela aquilo que não consegues dizer em voz alta.
e eu digo:
- as tuas mãos queimam-me a fala.
tu sorris, dizes:
- vem , sem medo, pela aridez do meu corpo.
no fundo de mim existe um poço onde guardo a tua imagem. é tempo de te devolver. 
é tempo de te reconheceres nela.



Al Berto

e, queima, o toque dos teus dedos...


Tenho o nome de uma flor
quando me chamas.
Quando me tocas,
nem eu sei
se sou água, rapariga,
ou algum pomar que atravessei.


Eugénio de Andrade

Tenho as coisas escritas
no peito, o teu nome. 
Nada tem que ver
com o coração, muito menos com sentimentos.
O teu nome está-me escrito nos sinais, sobre a pele.
A tinta, desenhos de círculos castanhos
assinalando lugares.
O meu mapa genético tem uma única localidade.
Dizer o nome dela é chamar-te.
Chamar-te é encontrar a minha morada.



Inês Fonseca Santos

sábado, 2 de novembro de 2013

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

vEm...


Vem dos vales a voz. Do poço.

Dos penhascos. Vem funda e fria
Amolecida e terna, anêmonas que vi:
Corfu. No mar Egeu. Em Creta.
Vem revestida às vezes de asperezas.
Vem com brilhos de dor e madrepérola
Mas ressoa cruel e abjeta
Se me proponho ouvir. Vem do Nada.
Dos vínculos desfeitos. 
E sibilante e lisa
Se faz paixão, serpente, e nos habita.



H.H. III. Do Desejo. Da Noite

domingo, 27 de outubro de 2013

 
mas nunca mais regressaste a casa
e eu aprendi
a soletrar silenciosamente
o teu regresso.


José Rui Teixeira
 

"Preferiu o silêncio.
Era isso o que acima de tudo os unia, um silêncio rumoroso como o das lixeiras onde os mendigos vasculhavam a sobrevivência."


Inês Pedrosa
 
Crucificam-me e eu tenho de ser a cruz e os pregos.
Estendem-me a taça e eu tenho de ser a cicuta.
Enganam-me e eu tenho de ser a mentira.
Incendeiam-me e eu tenho de ser o inferno.
Tenho de louvar e de agradecer cada instante do tempo.
O meu alimento é todas as coisas.
O peso exacto do universo, a humilhação, o júbilo.
Tenho de justificar o que me fere.
Não importa a minha felicidade ou infelicidade.
Sou o poeta.

Jorge Luis Borges

sábado, 26 de outubro de 2013

Nossos beijos são feitos de olhos.


OlhOs que se cruzam.
Que se batem.
AcAriciAm-se.
Que engolem alma por alma.
Não em um romper de línguas, mas no encontrar das retinas.


G.Schardosim.

leVEza


Tô que nem criança
Tô de alma limpa
(...)
Hoje eu quero luz
De sol e mar
Nova!
Renovada força
Tô feliz da vida


Peninha
 
"Mas é preciso escolher.
Porque o tempo foge.
Não há tempo para tudo.
Não poderei escutar todas as músicas que desejo, não poderei ler todos os livros que desejo, não poderei abraçar todas as pessoas que desejo.
É necessário aprender a arte de ‘abrir mão’ – a fim de nos dedicarmos àquilo que é essencial…"
 
Rubem Alves
 
"Relacionamento não é só prazer. Não é só festa, viagem, risada, diversão, brinde, sexo, beijo, cumplicidade. Relacionamento tem fase chata, de vez em quando tem briga, discussão, chatices, rotina, implicâncias, ciúme, bate boca. A gente tem que lidar, conviver e amar uma pessoa que veio de outra família, outro mundo, tem outra criação, outros costumes, outros pensamentos, outro jeito de viver. Você tem que aceitar aquela pessoa como ela é, e isso dá muito trabalho. O amor é lindo sim, e ele é a maior recompensa para quem não tem medo de enfrentar os próprios medos e os medos do outros. É querer estar com a pessoa independente de qualquer coisa ou situação. Pelo simples fato de estar junto"
 
Caio Fernando de Abreu
 


A boca,
onde o fogo
de um verão
muito antigo
cintila.
O que pode uma boca
esperar
senão outra boca?

 

Eugénio de Andrade

domingo, 20 de outubro de 2013

deseSpero


Estava abraçada ao chão. 
Acreditei que tinha morrido 
e que a morte era dizer um nome sem parar.




Alejandra Pizarnik


Fizemos tudo errado, por isso estamos juntos.



Fabricio Carpinejar

DES(encantos)...



não consigo mais ver nenhuma anjo em você, pastor, mago, cigano, herói intergalático, argonauta.


Caio Fernando Abreu

sábado, 19 de outubro de 2013

EnSiNa-Me,,,


Abro os olhos e digo-te: 
ensina-me de novo a ter mãos. 




Vasco Gato 

"O amor só se conserva quando a solidão
de cada um dos dois é respeitada
mesmo que isso exija a implacável destruição
dos que não deixariam de se destruir
se dessem um ao outro a mínima das mãos"


Ruy Belo,

Reflito sozinha...


O pensamento que lhe ocorrera de que aquela podia ser para ele a sua última mulher jovem, tinha-a tornado inesquecível, mas ela talvez também não o tivesse esquecido. Sem que se tivessem profundamente magoado um ao outro e devendo cada um deles guardar segredo para o resto das suas vidas, por certo que nem um nem outro se esqueceriam. 





Yasunary Kawabata

Não é bem a vida que faz falta
 - só aquilo que a faz viver.


Para Sempre, Vergílio Ferreira

Te transformei em...



Te transformei em saudade, passarinho ou estrela.


Nessas coisas que sorrio quando lembro. 







Vanessa Leonardi

terça-feira, 15 de outubro de 2013


Mas a memória guarda-me o teu cheiro, as tuas mãos e o teu sorriso. 
Olho ao espelho e vejo o teu nariz. 
Olho para as mãos da mãe e vejo as tuas unhas. 
Estás em nós e eu estou em ti. 
Eu jamais seria eu sem a tua presença constante na minha vida


José Luís Peixoto,

domingo, 13 de outubro de 2013

sábado, 12 de outubro de 2013


"Amo-te tanto que te não sei amar , amo tanto o teu corpo e o que em ti não é o teu corpo que não compreendo porque nos perdemos se a cada passo te encontro, se sempre ao beijar-te beijei mais do que a carne de que és feita, se o nosso casamento definhou de mocidade como outros de velhice, se depois de ti a minha solidão incha do teu cheiro, do entusiasmo dos teus projetos e do redondo das tuas nádegas, se sufoco da ternura de que não consigo falar, aqui neste momento, amor, me despeço e te chamo sabendo que não virás e desejando que venhas do mesmo modo que, como diz Molero, um cego espera os olhos que encomendou pelo correio."

António Lobo Antunes

terça-feira, 8 de outubro de 2013



Quem és? 
Pergunto ao desejo. 
Respondeu: lava. 
Depois pó, 
Depois nada.
....




Hilda Hilst

domingo, 6 de outubro de 2013

esperanças..

 
[Se eu não ardo,se tu não ardes,se nós não ardemos,quem combaterá as trevas?]



(Nazim Hikmet)

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Eu me perdi... Perdi Você... Perdi a voz... Agora sou, somente um...



Reinventar a perfeição da vida que é a do seu milagre e estupidez. 
Calar de mim a voz do meu excesso e ser todo no meu nada. 
E esquecer, esquecer o antes e o depois, sobretudo o que está antes e depois de todos os depois e antes. 






Vergílio Ferreira

domingo, 29 de setembro de 2013


Queima tudo, incendeia-me mais.
Beija os vastos desertos da minha combustão.
Não digas nada.
Ao crepúsculo, conduz-me ao redil,
faz soar os guizos,
canta junto ao moinho de vento.





José Agostinho Baptista








A maneira mais absoluta de aceitar alguém ou alguma coisa seria justamente não falar, não perguntar - mas ver. 

Em silêncio...




Caio Fernando Abreu



Quem dera eu pudesse bater meus sapatos vermelhos e ir de volta pro mundo dos meus sonhos, onde eu deixei minha inocência, minhas ilusões e minha capacidade de encantar-me com o comum. 
Quisera eu ainda ter uma latinha onde esconder meus "tesouros", um relógio de corda, um camafeu e um broche, minha riqueza, meu mundo escondido embaixo da cama... 
Onde estará guardado o meu coração de menina?
 Tal qual Dorothy, quero voltar pro lar de mim, com meus sapatinhos de boneca e minha alma de criança...




Mágico de Oz

talvez as 'pedras' nasçam dos vazios... ou, pelos vazios, os corações tornam-se de pedras...


(...)
Se o teu ouvido se fechou à minha boca
poderei escrever ainda poemas de amor?
A arte de amar não me serve para nada.

Um fogo em luz transformado.
Subitamente, a sombra.
(...)



Casimiro de Brito

domingo, 8 de setembro de 2013


Despe-te
não há outro caminho.




Eugénio de Andrade,

As cartas que escrevi pra acabar com ele mandei só pra mim.

 Deve ser por isso que estou acabada. 



Tati Bernardi

Em que espelho ficou perdida a minha face?


"Continuando: 
somos muitos ao mesmo tempo, somos aqueles que sonhamos, mas sobretudo aquilo que tememos e que desejamos."


Manuel António Pina

...afogar-se
às vezes é morrer
em líquidas palavras
que nunca dizemos...




Silvia Chueire


As plantas acenavam ao vento de agosto,
nas suas hastes finas e verdes.
E disse-me a mais faladora de todas,
alta e trigueira:
- Dás-me dez anos da tua vida?
Eu só tinha cinco anos,
pus-me a contar pelos dedos,
vi que ia ficar com muito pouco.
- Dou - disse eu.
E ainda hoje, que nunca mais soube de mim,
vou com o vento, balouçando.
E agosto é todo o ano para mim.



Ruy Belo

*E setembro sempre me cheira a saudade!

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

devorar-te pela ternura, pelos olhos, e pelos silêncios....

quando a ternura
parece já do seu ofício fatigada, e o sono, a mais incerta barca,
inda demora, quando azuis irrompem
os teus olhos e procuram
nos meus navegação segura, é que eu te falo das palavras
desamparadas e desertas, pelo silêncio fascinadas





Eugénio de Andrade

sábado, 31 de agosto de 2013


Quero me encantar mais vezes. Admirar mais vezes. Compartilhar mais amor. Dançar com a vida com mais leveza, sem medo de pisarmos nos pés uma da outra. Quero fazer o meu coração arrepiar mais frequentemente de ternura diante de cada beleza revista ou inaugurada. Quero sair por aí de mãos dadas com a criança que me habita, sem tanta pressa. Brincar com ela mais amiúde. Fazer arte. Aprender com Deus a desenhar coisas bonitas no mundo. Colorir a minha vida com os tons mais contentes da minha caixa de lápis de cor. Devolver um brilho maior aos olhos, aos dias, aos sonhos, mesmo àqueles muito antigos, que, apesar do tempo, souberam conservar o seu viço. Quero sintonizar a minha frequência com a música da delicadeza. Do entusiasmo. Da fé. Da generosidade. Das trocas afetivas. Das alegrias que começam a florir dentro da gente.”




Ana Jácomo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...