sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Sinto!


Sinto no ar que respiro tEU chEIro e prefiro não lembrar Você....

Amei-te de repente...


"Dizem que o amor se faz de uma comunidade de interesses subterrâneos, restos de vozes, hábitos que nos ficam da infância como uma melodia sem letra, paixões pisadas na massa funda do tempo, mas nesses anos entre guerras, os sentimentos explicados não interessavam a ninguém. O amor era então uma criação fulminante do tédio e da inocência, feito do carnal recorte da beleza, magnífico de crueldade. Amei-te de repente, com a luminosa injustiça que me afastou de todos os que me amaram por me serem semelhantes."




Inês Pedrosa

De repente me tornei, uma estranha pra Você...


se envelhecesses a meu lado, cedo perceberias
que nunca fui digno do teu rosto ou da tua ternura.

é isto que penso quando me lembro que partiste.




José Luís Peixoto

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Faz!...


faz com que os beijos cheguem à altura dos ombros
e com que os ombros subam à altura dos lábios,

faz com que os lábios cheguem à altura dos beijos.

R.Carvalho

domingo, 26 de agosto de 2012



Tua ausência cala o mundo,

o mar, os ventos.

Tua ausência desaba

silenciosamente

sobre os meus dias, soterrando

meu outono…

ela magoa demais o meu sossego.

(Tua ausência é essa substância densa)

Tua ausência é tão presente que é pessoa…

E me abraça.



Marla de Queiroz

Se me abraçares, não partas.



Se partires, não me abraces - a falésia que se encosta uma vez ao ombro do mar quer ser barco para sempre e sonha com viagens na pele salgada das ondas. 

Quando me abraças, pulsa nas minhas veias a convulsão 
das marés e uma canção desprende-se da espiral dos búzios; 
mas o meu sorriso tem o tamanho do medo de te perder, 
porque o ar que respiras junto de mim é como um vento 
a corrigir a rota do navio.
Se partires, não me abraces 

Se me abraçares, não partas. 



Maria do Rosário Pedreira


O amor é o homem inacabado. 



Paul Eluard

Ainda existem almas para as quais 
O amor é o contato de duas poesias,
 A fusão de dois devaneios.



Gaston Bachelard

Mutação...


Às vezes é preciso recolher-se. O coração não quer obedecer, mas alguma vez aquieta; a ansiedade tem pés ligeiros, mas alguma vez resolve sentar-se à beira dessas águas. Ficamos sem falar, sem pensar, sem agir. É um começo de sabedoria, e dói. Dói controlar o pensamento, dói abafar o sentimento, além de ser doloroso parece pobre, triste e sem sentido. Amar era tão infinitamente melhor; curtir quem hoje se ausenta era tão imensamente mais rico. Não queremos escutar essa lição da vida, amadurecer parece algo sombrio, definitivo e assustador. Mas às vezes aquietar-se e esperar que o amor do outro nos descubra nesta praia isolada é só o que nos resta. Entramos no casulo fabricado com tanta dificuldade, e ficamos quase sem sonhar. Quem nos vê nos julga alheados, quem já não nos escuta pensa que emudecemos para sempre, e a gente mesmo às vezes desconfia de que nunca mais será capaz de nada claro, alegre, feliz. Mas quem nos amou, se talvez nos amar ainda há de saber que se nossa essência é ambigüidade e mutação, este silencio é tanto uma máscara quanto foram, quem sabe, um dia os seus acenos.”



Lya Luft


Há uma roda de dedos no ar.
A língua flamejante.
Noite, uma inextinguível
inexprimível noite. 
Uma noite máxima pelo pensamento.
Pela voz entre as águas tão verdes do sono.
Antiguidade que se transfigura, ladeada
por gestos ocupados no lume.



Herberto Helder



Estou matutando aqui, pensando em escrever algo que possa penetrar nessa rede de fios e chegar até você em segundos, que possa transmitir sentimento, alegria, doçura, algo especial... Que seria interessante guardar aqui, como um relicário. Busquei em um dos meus escritores prediletos algumas palavras para exprimir, em parte, o que sinto por você,nesse momento... Mas que senti no passado do ontem e sentirei no futuro de amanhã: "Estou te querendo muito bem neste minuto. Tinha vontade que você estivesse aqui e eu pudesse te mostrar muitas coisas, grandes, pequenas, e sem nenhuma importância, algumas". 




Caio Fernando Abreu

“Como se faz para viver uma vida vazia? Como se faz para viver uma vida cheia de nada?”


Filme - O segredo de Seus Olhos

sábado, 25 de agosto de 2012


imaginar a forma
doutro ser 
na língua,
proferir o seu desejo
o toque inteiro


Antonio Ramos Rosa

Impermanências: lindo texto de Ana Jácomo!


Algumas preciosidades morrem baixinho, em dégradé. Como morrem as tardes. Como morrem as flores. Como morrem as ondas. Quando a gente percebe, já é noite e o céu, se está disposto a falar, diz estrelas. Quando a gente percebe, as pétalas já descansam o seu sorriso no colo do chão. Quando a gente percebe, o canto da onda já enterneceu a areia. Muitas dádivas que nos encontram, que nos encantam, têm seu tempo de viço, sua hora de recado, e seu momento de transformação em outro jeito de lindeza.


A noite também é bela do jeito dela. As pétalas caídas viram húmus para fertilizar o solo que dirá a vez de outras flores sorrirem. A areia molhada conta a canção da onda e da sua acolhida terna para a nossa vida descalça. Lutar contra a impermanência das coisas é feito tentar prender o azul macio das tardes, segurar o viço risonho das flores, amordaçar as ondas. É inútil.


Costumamos esquecer que não podemos impedir a mudança: tudo dança a coreografia sábia e implacável da impermanência. Mas a música daquilo que verdadeiramente nos toca com amor, não importa o quanto tudo mude - e tudo muda -, não deixa nunca mais de tocar e viver, de algum jeito, no nosso coração.




Ana Jácomo

Maravilhosa Ana!

Sofrimento é privilégio dos que sentem.



Clarice Lispector

sexta-feira, 24 de agosto de 2012


"Quero dizer-te uma coisa simples:
A tua ausência dói-me."




Nuno Júdice

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Depois de ti, 

Eu não me coube mais de encantos.

Despejei-me.

Fui deixando-me pelo caminho, 

Feito rastro para a tua vida.



Vanluchiari

domingo, 19 de agosto de 2012


é o meu coração no teu corpo...

SeNTe.



Kha Tembe

eu aprendi com a chuva a ressuscitar o que estava oco.
mau-humor, dor de dentro e desânimo, eu resolvo com abraços


Marla Queiroz


É como uma rosa ao sol
O coração dos poetas,
O que quer são borboletas,
Borboletas, borboletas...


Eugénio de Castro

Na vida, apenas uma coisa é certa, além da morte e dos impostos. Não importa o quanto você tente, não importa se são boas suas intenções, você cometerá erros. Você irá machucar pessoas. E se machucar? E se algum dia você quiser se recuperar?... Há apenas uma coisa que pode ser dita... Esquecer e perdoar. É isso que dizem por aí. É um bom conselho, mas não muito prático. Quando alguém nos machuca, queremos machucá-los de volta. Quando alguém erra conosco, queremos estar certos. Sem perdão, antigos placares nunca empatam, velhas feridas nunca fecham. E o máximo que podemos esperar é que um dia tenhamos a sorte de esquecer.



Grey's Anatomy

sábado, 18 de agosto de 2012

nem à hora da morte me arrependaria de ter amado...


"Posso arrepender-me de ter mentido, de ter sido a causa de ruínas e sofrimentos mas nem à hora da morte me arrependeria de ter amado..." 




Graham Greene

*e mesmo amando o mais que pude... não amei o suficiente!

Outro dia, numa entrevista, perguntaram-me o que eu penso a respeito do amor homossexual. A vida é tão breve, a felicidade tão rara, meu Deus, deixem as pessoas fazer o que quiserem com seus corpos! Só não gosto e não aceito vulgarização. O sexo é grave, nobre, belo, então a vulgarização me dói. Mas, afora o vulgar, a liberdade no amor deve ser absoluta. Com tanta violência, por que vamos perseguir justamente o amor? Já basta a miséria que nos tira quase tudo.




Lygia Fagundes Telles

Como começar pelo início, se as coisas acontecem antes de acontecer?


Clarice Lispector

Delícia!


Vou quebrar tuas virgulas, tirar proveito dos teus pontos finais.

Tuas exclamações não serão mais necessárias, e tuas interrogações jamais compreendidas.
A tua linguagem culta não passará de clichê, e teu discurso ficará vazio.
Ao fim, você se calará por não ter o que dizer.



Marcelo Camelo

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

quarta-feira, 15 de agosto de 2012


ao te adorar
não sei mais se tens
corpo ou altar...


Carlos Seabra

Eu sei que por algum tempo vou seguir oscilante entre a razão e o desejo.
Algumas decisões são tomadas  com o coração inquieto e o pensamento tomado por muitas coisas que aconteceram e que acontecem, tudo misturado.
Sei também que o tempo vai ser meu amigo para essas coisas da vida.
Com coragem eu sigo, nessa velocidade que eu não temo, nem mesmo de ousar ser feliz.


Fernando Pessoa

domingo, 12 de agosto de 2012


Há em teus olhos, dados ao momento,
uma tristeza de água reprimida,
que é como o pressentimento
duma próxima despedida.
Tristeza que faz lembrar
dias perdidos de outono
com luz pálida a incidir
nas folhas mortas de sono.
Deixa que a esperança os molhe,
os inunde de alegria.
Cada noite passa e colhe
o gosto dum novo dia.  



Albano Martins

Quero conhecer pessoas perversas, ser íntima delas. Nunca olho para pessoas inocentes. Quero morder a vida, e ser despedaçada por ela.


Anaïs Nin

'Pai' - Fragmentos de Carpinejar...


Ser pai é um papel difícil, é segurar o sim, é segurar o não, jamais temer tomar partido.


Pai não fica em cima do muro, é o muro.

É limitar as vontades, ser determinado, firme.

Sem meio-termo: errar e pedir desculpa, acertar e comemorar.

Pai é a honestidade da lembrança. É a franqueza do gesto. É a responsabilidade.

(...)

Ser pai é dar a cara ao tapa esperando o beijo.




Fabrício Carpinejar... 


*PAI(s), parabéns! Especialmente para Meu Pai... Que as bençãos da vida sigam contigo.

sábado, 11 de agosto de 2012


marcham
silenciosas
pelo fim da tarde
as últimas palavras
do amor



Mário Rui de Oliveira

Livrai-me Pai, de todo o mal...


Ora, 

A fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem.


Hebreus 11:1

*Amém!

Amiúdam-se as partidas…
Também morremos um pouco
no amargor das despedidas.

Cais deserto, anoitecemos
enluarados de ausências


Helena Kolody

quinta-feira, 9 de agosto de 2012


Sabes que por vezes pareces ser
fantasia feita doce e ternura

Enquanto o sol tenta nascer
ao mesmo tempo que a noite dura.




Nelson Gonçalves

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Ficarás.


Como é audível o teu amor. O teu cuidar triste de uma coisa triste. A tua dependência das coisas escuras. A tua necessidade de enrolares as palavras que te explicam. As pedras intensas dos teus olhos, filhas do peito e tão frias. Tão  impossíveis no sal da tua vida. Ficarás. Ficarás para sempre abraçada a um navio naufragado, mas que é capaz de existir assim. E tu és tão capaz de amar em surdina, de possuir o frio do nosso silêncio, morrendo tu, todas noites, caindo devagar no nosso sono comum.


Patrícia Baltazar

terça-feira, 7 de agosto de 2012


Há quantos anos me sento a ver o mar?
Amor sem falhas.




Casimiro de Brito


Saudades do mar!

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

domingo, 5 de agosto de 2012

não tenho pressa
nada se repete ao encontro do meu olhar
assim percorro a distância entre mim e o nada abandonando-me ao instante e ao seu silêncio enquanto o mar, ao longe, inexpressivo, me contempla
e da janela eu as espreito, luz e sombra
devagar pelo meu quarto.


Rui Machado

onde, onde estás?



não sei onde estás, se falas ou se apenas olhas o horizonte, que pode ser apenas o de uma parede de quarto. mas sei que uma sombra se demora contigo, quando me pergunto onde estás: uma inquietação que atravessa o espaço entre mim e ti, e te rouba as certezas de hoje, como a mim me dá este poema.




Nuno Júdice

sábado, 4 de agosto de 2012


entre a tua garganta e os gritos,
o meu corpo.


Kha Tembe

Clariceando!


Um dia tinha se passado vinte anos.



Clarice Lispector

Jogo a minha rede no mar da vida e às vezes, quando a recolho,
descubro que ela retorna vazia.
Não há como não me entristecer e não há como desistir.
Deixo a lágrima correr, vinda das ondas que me renovam,
por dentro, em silêncio: dor que não verte, envenena.
O coração marejado, arrumo, como posso, os meus sentimentos.
Passo a limpo os meus sonhos.
Ajeito, da melhor forma que sei, a força que me move.
Guardo a minha rede e deixo o dia dormir.
Com toda a tristeza pelas redes que voltam vazias,
sou corajosa o bastante para não me acostumar com essa ideia.
Se gente não fosse feita para ser feliz... Deus não teria caprichado tanto nos detalhes.
Perseverança não é somente acreditar na própria rede.
Perseverança é não deixar de crer na capacidade de renovação das águas.

Hoje, o dia pode não ter sido bom, mas amanhã será outro mar.
E eu estarei lá na beira da praia de novo.



Ana Jácomo

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

os teus beijos eram palavras enormes...


tão curta foi a palavra entre as bocas
sobrou a distância. a boca
na boca é um problema de tamanho.
por exemplo. os beijos os teus beijos
eram palavras enormes. agora
faltam-te os centímetros nos lábios
e esqueces-me em cada frase tua
que não me cai na pele.

DESAMOR...
é uma palavra tão comprida.


Pedro Jordão


O QUE AMEIEU AMEI SÓ.



Edgar Allan Poe,

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...