quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Te amo mesmo que...:


Te amo como as begônias tarântulas amam seus congêneres, como as serpentes se amam enroscadas lentas, algumas muito verdes, outras escuras, a cruz na testa, lerdas prenhes, dessa agudez que me rodeia.

Te amo ainda que isso te fulmine ou que um soco na minha cara me faça menos osso e mais verdade.



Hilda Hilst,
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...